Revista Espírita, publicada por Allan Kardec de 1858 a 1869

Postado em 14/09/2020

A Revista Espírita Jornal de Estudos Psicológicos, mais conhecida como Revista Espirita foi publicada pessoalmente por Allan Kardec durante onze anos e quatro meses, de janeiro de 1858 até abril de 1869.

Estudando a Revista Espírita, que peço vênia para doravante neste artigo citá-la simplesmente como RE, encontramos pelo menos três informações e ou ensinamentos muito importantes.
Informação 1: História do Espiritismo

A primeira informação consiste na história do Espiritismo, no seu dia a dia, que a RE nos traz. Neste aspecto as cartas, as mensagens recebidas do mundo espiritual, os ataques à doutrina, as refutações de Kardec a estes ataques. As notícias sobre a publicação dos demais livros da Codificação Espírita.
Informação 2: Instrumento de pesquisa

O segundo ensinamento, consiste em que a RE foi um instrumento de pesquisa na qual, Kardec analisava todas as mensagens e cartas recebidas de todas as partes do mundo. Análise feita sobre os princípios doutrinários já estabelecidos em O Livro dos Espíritos Ainda neste aspecto, o Codificador pesquisava a reação do público as novas ideais que estavam sendo reveladas.
Informação 3: Discussão de ideias polêmicas

A terceira informação compreende a discussão de ideias polêmicas que, a meu ver se e tornaram polêmicas, por falta de conhecimento científico e filosófico dos adeptos da doutrina e de seus opositores.

Neste campo temos alguns temas científicos da época que depois foram aceitos sob novo prisma pela ciência contemporânea. Como exemplo, citamos a Frenologia, que deu origem à Neuropsicologia, ciência de enorme importância em nossos dias, que provou a tese frenológica da existência de áreas do cérebro responsáveis pelas diversas faculdades, como ver, ouvir, etc. A questão da Geração Espontânea, a Teoria da Beleza, entre outros assuntos, que devem ser analisados através da interpretação histórica e sistêmica da Codificação.

A respeito dos temas polêmicos, nunca é demais lembrarmos os avisos de Allan Kardec sobre eles. Vejamos:

    “Numa palavra, discutiremos, mas não disputaremos” – Kardec, RE, Introdução, janeiro, 1858.
 

    “A Revista é, frequentemente, para nós, um campo de experiência destinado a sondar a opinião dos homens e dos Espíritos sobre certos princípios, antes de admiti-los como partes constituintes da Doutrina” – Kardec, A Gênese, Introdução, 1868.


    “Sendo a Revista um terreno de estudo e elaboração dos princípios, e nela dando sem rodeios a nossa opinião, não tememos empenhar a responsabilidade da Doutrina, porque a Doutrina a adotará se for justa, e a rejeitará se for falsa.” – Kardec, RE, 1868, julho, artigo “A Geração Espontânea e a Gênese”.

Concluindo, a RE como podemos inferir das afirmações de Allan Kardec, a RE foi um local para discussões ensaios, opiniões e experimentos. Assim sendo, na RE existem princípios doutrinários comprovados e dados que não foram utilizados por Kardec na Doutrina Espírita.

Para identificá-los podemos começar, verificando os princípios encontrados na RE que foram utilizados nos livros publicados por Kardec, como O Que é o Espiritismo, O Livro dos Espíritos, O Livro dos Médiuns, O Evangelho Segundo o Espiritismo, O Céu e o Inferno e A Gênese. Cabe a nós, estudarmos para discernir sobre tudo isto.

 

Fonte: cafecomkardec.com.br

Créditos:

Paulo Castanheiras

Advogado, Dirigente, Articulista e Expositor Espírita, integrante da equipe do Café com Kardec.

Nenhum comentário, seja o primeiro !

Deixe seu comentário